60 dias de confinamento – A verdadeira viagem ao fundo do meu Ser

Hoje, após 60 dias de confinamento, olho para trás e faço uma avaliação destes dias. Foram dias de verdadeiros desafios. As primeiras lágrimas foram no primeiro dia em que todos vieram à janela bater palmas aos profissionais de saúde. Recordo que senti uma emoção profunda, um misto de sentimentos, ora de tristeza, ora de orgulho por todas as pessoas estarem unidas. Mas no meu interior só pensava como era possível isto estar a acontecer? Como poderia eu ajudar?

Lembro-me que chorei muito e depois respirei fundo e disse: “Não é assim que vou conseguir ajudar!” E no dia seguinte telefonei a todos aqueles que eu sentia que podiam estar comigo nesta luta silenciosa e começamos logo a organizar grupos, mensagens de apoio e tantas outras atividades.

Mantive-me forte e firme, como se tivesse que cuidar de todos. Organizei a minha casa e este meu espaço sagrado passou a ser a minha sala de formação, o meu ginásio, o meu restaurante, o meu mundo. A partir deste lugar, apoiei a minha familia, apoiei as minhas turmas, apoiei pessoas que nunca vi na vida! Lidei com a morte, com a doença, com os medos e com tantas outras coisas que nem sei dar nome. Fiz bolos que não se podiam comer,  conheci as minhas panelas, bebi gin com a minha filha, brinquei horas a fio com os meus cães, fui mãe dos meus pais, brinquei, pintei, corri, trabalhei!

Só sei que só passaram 60 dias!!!! Como é possível ter acontecido tanta coisa em 60 dias? Ouço dizer que o mundo parou! Pois eu não acho que o mundo parou! Eu acho que a economia parou, não o mundo! Nos meus 51 anos de vida nunca vi o mundo tão ativo!

Tem sido tempo de limpeza interior, de lidar com os nossos demónios, de fazer mais meditação, mais Reiki, de honrar a natureza, de olhar para dentro e sentir o que realmente precisamos.

E hoje, após 60 dias de confinamento voltei a chorar! Desta vez por mim, por ti, por nós! Não como dor, como sofrimento, mas sim como libertação, como tomada de consciência desta viagem incrível dentro do meu Ser. A consciência que a tua dor era a minha dor, a tua esperança era a minha esperança.  Da consciência que temos em nos adaptar, em lutar, em seguir em frente! Da consciência que somos muito fortes, mas também muito frágeis. Quando cuidei de ti, cuidei de mim! Esta será uma viagem inesquecivel! Obrigada!

 

 

0 comments
0 likes
Prev post: Super Reikinho ajuda crianças com necessidades especiais em Angra do HeroismoNext post: O poder curativo de uma mãe

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *